Conteúdo do blog da Theia

Será trabalho de parto?


Será trabalho de parto?

Escrito por Família Theia e Dra Danielle Domingues (ginecologista e obstetra)

Uma das dúvidas mais frequentes no final da gestação é quais são os sinais de trabalho de parto e quando é o melhor momento para ir à maternidade. Para entender o que é trabalho de parto é importante saber como ele ocorre.

É muito comum sentir contrações de treinamento no último trimestre da gravidez que são contrações esporádicas e irregulares, sentidas como um endurecimento da barriga, normalmente indolor ou com leve desconforto. Esse tipo de contração pode melhorar com repouso ou medicação simples para dor.

Mas afinal o que é trabalho de parto?

Consideramos trabalho de parto quando a grávida começa a ter contrações regulares que modificam o colo do útero, ou seja, ele começa a dilatar e a afinar, chegando à dilatação total de 10 cm.

Inicialmente a gestante passa pela fase de latência, com dilatação até 5 cm e costuma durar até 12 horas. Nessa fase as contrações não são tão frequentes. Quando atinge essa dilatação, normalmente se inicia a fase ativa do trabalho de parto, quando as contrações passam a ser mais dolorosas e normalmente a cada 5 minutos ou menos. Esse é o melhor momento para ir para a maternidade. Segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde), a fase ativa costuma durar até 12 horas nas pacientes que estão no primeiro parto ou 10 horas naquelas que já tiveram partos normais antes.

E rompimento da bolsa, o que é?

Normalmente acontece uma perda de grande quantidade de líquido amniótico, que escorre pelas pernas e com um odor típico (semelhante a água sanitária). Na maioria das mulheres, isso ocorre durante a fase ativa do trabalho de parto, mas numa pequena parcela pode não romper ou até ocorrer antes das contrações, ou seja, antes de entrar em trabalho de parto.

É importante ir à maternidade quando ocorrerem os seguintes sintomas:

- Contrações regulares a cada 5 minutos, normalmente dolorosas;

- Perda de líquido em grande quantidade;

- Sangramento vaginal;

- Diminuição da movimentação do bebê (mais de 4 a 6 horas sem mexer).

Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar usando nosso site, você aceita nossa  política de cookies.